quinta-feira, 27 de março de 2014

Por favor.














Por favor não me deixes aqui fora
A noite vai chegar
Não me deixes não
O gelo do frio vai me maltratar

Sou mendigo sou pobre
Trapilho não tenho roupas
Tenho o sonho à esperança
Do calor e uma comida

Só peço não roupo
Imploro por piedade
Não me deixes aqui fora..

Tomo banho, corto o cabelo
Limpo as unhas imploro
Não me deixes aqui fora...






quinta-feira, 13 de março de 2014

Ser Poeta














O poeta desnuda alma
Mostra ardor e inspiração
Eterniza a dor sem pudor
Expõe as entranhas da mente
Revela o íntimo em flor
Monta a cena e se faz ator
Mostra sua paixão, amores e ardor
Conta canta e encanta
Relembra amores perdidos.
Sufocados mortos sem razão
Vive na saudade
Dos sonhos esquecidos desilusões
Retrata a vida em versos
Sente a esperança voltar
Em alegrias e risos
Nos reversos a verdade e mentira
No choro e nas lágrimas a emoção
Sentimentos aflorados
Versejados em estrofes
Eis o poeta eis o sonhador
Vejam o poeta querido
É um ator .

(dia 14 de março dia Nacional do Poeta em homenagem a Castro Alves)                                      

quarta-feira, 12 de março de 2014

Feiticeira














Sou bruxa curandeira dos teus males e alegrias
Posso transpor teus sonhos fantasias e agonias
Carrega-lo ao mar de felicidades e torturas minhas
Conduzir tua vida limpar tua dor curar tuas feridas

Sou a bruxa que tudo sabe nada diz  nada conta
Levo-te ao encontro do mar bramindo do sonho sentido
Chamo-te pelo nome e apelido viras a mim combalido
Ao distante caminho da vida sem dor posso te guiar

Sou bruxa faceira com poder te salvar do pesadelo
Transponho tua alma te revelo desnudo e exponho
Guio-te pela a luz e sombra na dor e na ambição
Busco-te do abismo na escuridão ao despertar

Sou bruxa que seduz e atrai que tortura e trai
Lavo teu sonho e enxugo tuas lagrimas na agonia da dor
Traiçoeira serei ao te deixar penar nos penhascos da vida
Levar-te-ei ao que me impões, pois bruxa na vida sou.
(revisada)


sexta-feira, 7 de março de 2014

Eu, tu, nos, todas as mulheres










Talvez vivida, por instante partida
Ora em partes inteiras
Vestida e desnuda
Forte ou fraca
Mulher de raça que abraça
Talvez o todo
Por ora pouco mais
Só seu mundo
Suas flores seus amores
Cobertos de cores
Talvez beije o solo
Em que todos pisem
Dê de comer a seus protegidos
Vista os desamparados
E ampare o mendigo
Talvez traga no seio
O leite de seus filhos
Que a todos alimenta e nutre
Pari a humanidade
Cria o mundo
Talvez na vida
Mulher, vistas o manto
De faces e agrades a todos
Os sofridos e esquecidos
Amados e queridos
Perdidos e encontrados
Talvez mulher
Corras de pés descalços
Pelas pedras do destino
Sangre a alma e vistas a dor da humanidade
Tragas o amor como remédio em teu destino.
Mulher talvez... Talvez Mulher...











terça-feira, 4 de março de 2014

Armagedon












Eis que se abre a fronteira final

A quem a luz se negou ver

Para os que não amaram e perdoaram

Aos que a luz não viram brilhar

Nas trevas mergulharam

A escuridão será companheira

O sol não brilhara mais, pois se apagará

A Lua não terá mais luz, pois sumirá

As estrelas desapareceram

O céu não existira a vida acabará

As trevas nasceram com o fogo da destruição

Gélido e petrificado ficaras e esperaras

Pois a luz que um dia para ti apagou

Que soberbo te negaste a ver a verdade

Voltará para te dar uma nova chance

Passará por ti a te iluminar

E se ela seguires uma chance terás

Das trevas saíras pelo caminho da luz

Que o Pai mais uma vez te mostrara

Se a elas não aproveitares

Em vão terás tornado a vinda do Pai

Petrificado nas trevas ficaras

E no fogo arderás até o fim dos tempos

Tuas entranhas secaram nada serás

Múmia de pedra viraras a sombra

E a luz nunca mais veras

Só de trevas te alimentarás

Na escuridão permanecerás

E teus pecados pagarás

Não viste a luz do Senhor.

domingo, 2 de março de 2014

Sonhei um Dia te Amar












Sonhei um dia te amar

Sonhos devaneios amor paixão

O lugar comum de um coração

Nada o move perturba ou furta

Haverá delírio mais lindo?

Entre abraços e Beijos soltos

Inquieta com reverencia a ti

Uma frase pronuncio

Manda teu amor para mim

Denota-me tua paixão

Irrita-me o ser

Ama-me estou a sonhar

Tenha piedade não devo acordar

Esqueça o passado e lembra-te de mim

Amo o amor adormecida no sonho

Maldito talvez bem dito

Angustia de pesadelo sôfrego

Relato o sonho de te amar num instante.

sábado, 1 de março de 2014

Passagem











Vislumbro espaços sem tempo
Lugares ermos por onde marés adentram
São portas abertas n’alma ora perdia
Cansada e desiludida
Do frenesi da vida
São tempos de loucas loucuras
Que procuram encontrar o destino
Nas calmarias da paz insana
São espaços de cores agonizantes
E brilhos ofuscados
Acesos no apagar das luzes em noites vazias
Portais do tempo, simplesmente passagens
Feitas em matizes sufocantes de odores mistos
Trazido pela brisa nos pedaços das luzes
De estrelas brilhantes rachadas no espaço do tempo...

Saudades












Lembro-me de tua face
Outrora tão suave e doce
Hoje triste e marcada pela solidão
De tuas mãos macias a me acariciar

Recordo tua voz forte e serena
Tua barba que me enfeitiçava
São lembranças que marcam a saudade
Que em minha vida traças-te

Lembro-me do dia em foste
No nevoeiro daquela madrugada gelada
Desapareces-te lentamente
No meu olhar em lágrimas

Recordo estes vultos do passado
São dores que rasgam a alma
Vazam minha mente e torturam meu ser
Foi o adeus prematuro de nossas vidas que me deixou saudades.

Cotidiano














Foi-se no tempo os sonhos
Os lugares por onde passei
São tempos que recordo
Envolto em cores
De mantos em flores
Lembranças de lugares
Pessoas e coisas...
São apenas sonhos distantes
Que ficaram
Segui outras jornadas
Começos e recomeços
De novos tempos e velhos olhares...