sábado, 1 de março de 2014

Passagem











Vislumbro espaços sem tempo
Lugares ermos por onde marés adentram
São portas abertas n’alma ora perdia
Cansada e desiludida
Do frenesi da vida
São tempos de loucas loucuras
Que procuram encontrar o destino
Nas calmarias da paz insana
São espaços de cores agonizantes
E brilhos ofuscados
Acesos no apagar das luzes em noites vazias
Portais do tempo, simplesmente passagens
Feitas em matizes sufocantes de odores mistos
Trazido pela brisa nos pedaços das luzes
De estrelas brilhantes rachadas no espaço do tempo...

Nenhum comentário:

Postar um comentário